DIÁLOGO ENTRE PAI E FILHA (A MORTE DO VÔ ZINO)

Sofia, vamos lá fora com o papai!

_ Pra quê, pai?

Quero mostrar-lhe uma coisa lá no céu!

_ O quê pai?

Tá vendo aquela estrela maior sozinha?

_ Tô!

Pois é: acho que ela é o vovô Zino que acabou de virar uma estrelinha…

_ Como assim?

 Sabe, filha, todos nós um dia viramos uma estrelinha. Isto acontece quando morremos!

_ Por que ele morreu? _ Eu brinquei de pique de esconder com ele ontem!

A vida é assim, filha. De um dia pro outro a gente pode virar uma estrelinha!

_ Por que ele não falou nada pra mim?

Ninguém sabe quando isto irá acontecer pequena. Ele não sabia ainda!

_ Eu não vou brincar com ele mais?

Vai vê-lo lá no céu em forma de estrelinha… Quando tiver saudade é só olhar pro céu. De vez em quando ele vai brincar de pique de esconder!

_ Como?

Quando o céu ficar nublado!

_ Umummm… Pai…

Oi filha!

_ Eu queria me despedir dele!

Amanhã, filha, todos nós vamos despedir dele!

_ Como, se ele está lá no céu?

Bem, filha, o corpo dele ainda está no hospital… Amanhã ele será levado para o cemitério, onde vamos fazer a despedida…

_ Eu vou poder falar com ele?

Vai filha, mas como ele já virou uma estrelinha, ele não vai responder!

_ Pai…

Oi…

_ Foi Deus que fez ele virar uma estrelinha?

Sim, filha, Deus leva as pessoas para o céu para ficar perto Dele!

_ Umummm… pai a gente pode comer um hambúrguer, hoje?

Vou ver se conseguimos parar num lugar para comprar… 

_ Obaaa!

 

SÉRIE: A SABEDORIA DE SOFIA

ESTEVAM MATIAZZI- 23 DE  MARÇO DE 2021

 

Obs.: Este diálogo ocorreu em 30 de junho de 2017, na noite em que recebemos a notícia da morte de vô Zino (companheiro de minha sogra Diodonei, ‘vôdrasto’ de Sofia).  Na ocasião, Sofia estava com 5 anos.

 

 

 

 

21 comentários

  1. Tocante e emocionante diálogo entre pai e filha…As saudades do vô estrelinha devem ainda existir… Que bom que as crianças, ouvem, assimilam e depois seguem… abraços, tudo de bom,chica

    Curtido por 1 pessoa

    • Este diálogo foi sobre a morte do ‘vôdrasto”. Depois disso, o vô biológico (pai de minha esposa) também, veio a falecer… Outro diálogo foi necessário.
      Obrigado Chica, por sua presença sempre afetuosa.

      Curtir

  2. A partida sempre dói mesmo quando se veste de saudade mais tarde. Fica encantada na literatura, ainda assim dói mesmo quando floresce na primavera a saudade de tantas estações. É estrela nos olhos, no coração e na voz do pai que aquece a alma da filha antes de a dor da saudade partir seu coração. Escuto baixo algum canto e celebro em oração um tempo que sempre irá que habitar porque minha saudade é um campo estrelado. Teu relato, Estevam, me trouxe a água dos olhos para regar a ausência de tantos e ter em seu espelho o reflexo das estrelas. Comovente e sensível. Um grande abraço. ( minha avó materna se chamava Zina )

    Curtido por 1 pessoa

    • Você fez uma poesia com este comentário. Estas experiências, tenho registrado, para não se apagar em minha memória e, menos ainda, na dela. Muito obrigado, por comentário de tamanha sensibilidade humana e anímica.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s