À MULHER QUE AMO (MEU ANJO)

 

Ao vê-la de azul vestida

   Brilharam minhas vistas

      Minh’alma cheia de vida

         Deu-lhe as boas vindas

            Aurea angelical infinita

            

               O brilho de sua imagem

                    Prenhe fez meu coração

                        Nele plantou a coragem

                           Fotossíntese e inspiração

                               Amor que se fez ramagem

             

                                    Beijá-la ali mesmo quisera

                                       Nossos olhos em centelhas

                                          Denunciaram nossa paquera

                                             Suas faces, maçãs vermelhas

                                                 Doce pecado à minha espera

                                                                                                                                                                        

                                                         Naquela noite, enamorados

                                                             Sementes do amor, lançadas

                                                                 Em corações, solos sagrados.

                                                                       Em nossas vidas cultivadas

                                                                         Sofia e Emmanuel, agraciados                              

 .ESTEVAM  MATIAZZI- 23 DE AGOSTO DE 2020

 

41 comentários

  1. Amigo, Mestre das letras Estevam Matiazzi, a ti minha profunda admiração…
    A Nina Matiazzi este teu sublime amor consagração…
    Do teu Jardim uma flor,inspiração…
    de Deus Divinal poesia , obra-prima da Criação… parabéns Nina Matiazzi, paz e bem Mestre Estevan Matiazzi. Um abraço fraterno do poeta Carvoeiro!…

    Curtido por 1 pessoa

      • O poema da Nina me fez lembrar outro poema:” já tive mulheres de todas as cores., todavia, nenhuma delas me fez tão feliz quanto você me faz.”
        Essa menina de faces rubras pela paixão despertada pelo amor inconteste é aNina.
        O que mais me chamou atenção no texto é a candura, a virginal alvorada dos sentimentos dos mancebos enamorados.
        Acho que ,mesmo se a Nina não tivesse sido despertada para amor, o nosso poeta, com essa poesia, não deu chances para ela .Com a poesia, ela como musa do texto,voltaria atrás e diria:” vim até aqui para encontrar a vida ,misturada nas mãos artesãs, do meu amor eterno.
        Desse modo , ela responderia assim: para sempre sua, Nina.

        Curtido por 1 pessoa

  2. Estevam, meu querido amigo… um esposo poeta, eternamente apaixonado, pai dedicado e carinhoso é o melhor presente que a Nina Matiazzi poderia ter no momento! Ser e estar presente… eis a questão. Parabéns para a mamãe de Sofia e Emmanuel, que são também os verdadeiros presentes na vida de vocês… muita saúde, muita paz, muita amor e muita poesia nesta trajetória familiar! Feliz aniversário Nina! Um grande abraço à toda família PS:manda meu pedaço de bolo via sedex 10 pra mim, Estevam… manda?! rsrsrsrs

    Curtido por 1 pessoa

  3. ah! a poesia, os poetas, o amor…plenitude da vida, campo semeado…o que dizer? o poeta disse tudo à amada e esse amor transborda e ilumina nossos dias em paz, esperança e fé. parabéns a toda família. e muito obrigado pelas sementes que nos ofereces com tanta generosidade.

    Curtido por 1 pessoa

      • Outro dia, com a partida de D. Pedro, tenho dois livros dele, um de poesia – Antologia Retirante – lendo seus versos de tanta riqueza social/humana senti uma dor imensa e um sentimento de orfandade. Fará muita falta. Lembra que um dia escrevi que tua poesia é litúrgica? Então, tens esse caminho que D. Pedro percorreu com a palavra.

        Curtido por 1 pessoa

        • Aprendi nos tempos de Vida Religiosa Franciscana, que liturgia faz parte daquilo que separamos no dia a dia para ser repetido sempre, pois é Sagrado. Por isso, teu adjetivo, posso dizer assim, litúrgico para minhas singelas poesias é de uma generosidade incomensurável. Obrigado sempre, Fernando..

          Curtir

    • Esta tem uma história que não pude contar, por agora. 😂😂😂 Este poema foi feito em 2000 (originalmente) tinha o título de anjo azul… (Foi a segunda vez que a vi adentrando uma igreja, vestida de azul, na qual era eu quem presidia a celebração, quando era frade.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s