PRAGAS…

107 dias de quarentena, mal feita, é verdade… Mas, 107 dias!!! E as pragas? Fora de contexto, pra variar, tentam explicar a ‘COVID 19, a nuvem de gafanhotos, a nuvem de poeira, entre outras como se fossem repetição das pragas do Egito ou as 7 do apocalipse… Aliás, 10 + 7 é igual a… Melhor só juntá-las: 107… Toda interpretação feita de forma descontextualizada serve apenas para aumentar o medo e desviar a atenção das verdadeiras pragas que nos assolam…  

 

Rios Doce e Paraopeba

Enlameados de rejeitos

Morrem pelos malfeitos

Humanos… Desta terra

 

Deus não manda pragas

As rãs e os sapos, cadê?

Pragas poucas pra quê?

Esqueceram as chagas?

 

Piolho não assusta mais

Nem o surto epidêmico

Afinal: já é tão sistêmico

Dentro de órgãos oficiais

 

Praga agora é democracia?

Fake News agora são fatos?

Verdades viraram boatos?

O foro não é mais regalia?

 

Estão à espera de Moisés?

Não confiam no messias?

Cometerão mais heresias?

Aprenderam com Ramsés?

 

A ideia é apenas flexibilizar

Inclusive práticas corruptas

Diga: são de forças ocultas

Só o lucro não pode parar

 

Pragas são as enchentes?

Ou as chuvas em excesso?

Querem tanto o progresso

E a vida… São indiferentes?

 

E a nuvem de gafanhotos?

E aquela outra de poeira?

Tudo isto é pura besteira

Frente a desejos escrotos

 

Pragas são coisas do Egito?

Pandemia é coisa da China?

Se inventarem uma vacina

Inventem pra quem é rico?

 

Por aqui a praga principal

Ah! Chama-se ignorância…

Vidas não têm importância

Que dirá o nível educacional!

  ESTEVAM MATIAZZI- 30 DE JUNHO DE 2020

 

9 comentários

  1. A educação no Brasil precisa ser construída em todos os aspectos.
    Essa premissa não é minha ,todavia ela é do nosso poeta ao alertar o leitor para as pragas do mundo, criando uma leitura conotativa sobre as pragas que se desembocam, metaforicamente, em pragas nacionais.
    Assim ele aponta para quem o lê ,uma alternativa para um coração civil que nos inspire em sonhos de um amor leal e crítico pela pátria .
    O que eu lírico quer é uma visão crítica.
    Ele conhece o que é identidade nacional de fato.
    A voz lírica não tem conceitos ufanistas .
    A partir da leitura do poema, percebemos que o poeta não é conservador. Dessa maneira, ele quebra tabus e demostra que para melhores dias a base é a educação, contudo ele fala num viés renovador, numa perspectiva revolucionária e nessa perspectiva qualquer vida importa.
    Nessa perspectiva, tudo que move e sagrado e renova a vida num mundo onde a educação será a saída para uma vida de vivos e de letrados!😍

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s