VELHO CHICO de MINAS

Na Serra da Canastra a verter

Entre arbustos e pedras a descer

Um filet de água pura a correr

Miúdo qual criança a crescer

Cerrado abaixo segue Chiquinho

Sereno cresce bem mansinho

Espelho d’água límpido, cristalino

Brilha quais olhos de  menino

Nos vales e paisagens a serpear

Nos obstáculos todos a superar

Nas terras secas, o sertão a irrigar

Mineiramente estende-se até o mar

Inspiração para Guimarães Rosa

Exaltado em seus versos e prosa

Literatura sagrada, liturgia amorosa

Produz vidas de forma milagrosa

Ó velho Chico de Minas, seu existir

Cenários oníricos estão a construir

São quais mãos divinas a esculpir

Apesar de quem o tenta destruir

Chico de Minas, velho Chico Mineiro

Como São Francisco seu padroeiro

Para a vida és cordial e hospitaleiro

  Por ondes passas és jovial alvissareiro

SÉRIE: MINAS e suas RIMAS

ESTEVAM MATIAZZI- 24/11/2020

Publicidade

4 comentários

  1. Adorei seu poema do Chico de Minas, velho Chico Mineiro.
    Terrinha boa a sua. Estive em Gonçalves este final de semana e adorei o seu entorno.
    Bom ter te encontrado na live da editora, espero que tenha gostado 👀. Abraços

    Curtido por 1 pessoa

      • Adorei o poema que me trouxe à memória o texto de Olavo Bilac- Rio Abaixo.
        A descida do rio faz uma metáfora sobre a própria condição humana de descida, dos entraves que a vida tem, das curvas e pedras que o rio precisa de atravessar .
        A sensação que o leitor tem é de que o Chico, em estado de agonia, pede socorro.
        O Rio é um sonho, o rio é generoso,como o Santo de quem ,o nosso velho adorável , herdou o nome.
        O poema vai Rio Abaixo, o poema é uma descida, descida semelhante a que Sócrates fez no livro da República de Platão. No referido livro, essa descida é um prenúncio de morte. O monte que Sócrates desce- o Pireu. O São Francisco desce a Serra da Canastra e está correndo o mesmo risco do Filósofo.
        Essa descida se dá no canto um do livro.
        No final da República, nessa descida irreversível, o Sábio é condenado a tomar Cicuta e morre . O mais justo dos homens, segundo Platão, é injustamente condenado.
        Inocente, nesta descida rio abaixo, o velho Chico, vai descendo ,tomando
        gotas de veneno ladeira abaixo.
        O poema diz , Chico meu velho, resista.

        Curtido por 1 pessoa

        • A resistência do Velho Chico simboliza a luta e resistência de todos que buscam preservá-lo, pois sabem, que se quiserem envelhecer, dependerão de suas águas límpidas e dos alimentos cultivados em suas margens e peixes que povoam suas águas. Paz e Bem, Márcia para lembrarmos a benção de São Francisco.

          Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s